Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

16/05/2018 - 08h21min. Alterada em 16/05 às 08h24min

Eletrobras tem queda de 96% no lucro líquido do 1º trimestre e registra R$ 56 milhões

O resultado líquido foi uma despesa de R$ 7 mi, bem menor que o valor de R$ 1,099 bi registrado em 2017

O resultado líquido foi uma despesa de R$ 7 mi, bem menor que o valor de R$ 1,099 bi registrado em 2017


ARQUIVO ELETROBRAS CGTEE/DIVULGAÇÃO/JC
A Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 56 milhões no primeiro trimestre, uma retração de 96% sobre o R$ 1,378 bilhão em igual período do ano passado. No critério gerencial, a queda foi de 22%, para R$ 429 milhões.
O dado gerencial exclui resultados da CELG D, receitas e despesas com construção, Receita de Transmissão com Rede Básica do Sistema Existente (RBSE), Receita relativa à RBSE referente a Linhas de Transmissão renovadas pela Lei 12.783/2013, despesas com investigação independente, impairment, contratos onerosos, provisões para contingência, provisão para perdas em investimentos, provisões de ajuste a valor de mercado, provisão relativa a Taxa de fiscalização de recursos hídricos (TFRH), Provisão ANEEL CCC, resultado de participações societárias da CTEEP que foram impactadas pela da RBSE, atualização monetária relativa aos empréstimos compulsórios, Plano de Aposentadoria Extraordinário (PAE), Plano de Demissão consensual (PDC), Provisão GSF, Provisão da Taxa Pará relativa a Eletronorte e provisão para IRPJ/CSLL relativa a RBSE.
No período, as provisões de impairment foram de R$ 174 milhões. A provisão e despesas com Plano de Demissão Consensual (PDC) foi de R$ 272 milhões; as provisões para contingências somaram R$ 512 milhões; a reversão de provisões para contratos onerosos chegou a R$ 301 milhões. Já a provisão da taxa de fiscalização de recursos hídricos (Taxa Pará) foi de R$ 150 milhões, como destaca o informe de resultados da holding elétrica.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 1,244 bilhão, uma queda de 70%, enquanto o indicador gerencial recuou 41%, para R$ 880 milhões primeiro trimestre. A receita líquida teve um recuo de 3%, para R$ 8,593 bilhões, ao passo que no critério gerencial cresceu 6%, para R$ 7,064 bilhões. O resultado financeiro líquido da Eletrobras foi uma despesa de R$ 7 milhões, bem menor que a despesa de R$ 1,099 bilhão anotada no primeiro trimestre de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia